quinta-feira, 30 de julho de 2015

Finais do handebol da fundação casa, muito mais que um troféu em disputa

Do tráfico ao sonho da seleção: o esporte na vida de jovens infratores

Finais do handebol da Fundação Casa: muito mais que um troféu em disputa

1Eliel Nascimento/Fundação Casa

Finais do torneio interno de handebol da Fundação Casa foram disputadas no Pacaembu

"Para que serve o esporte na sua vida?"

"Para eu esquecer que estou preso, né"

É assim, de forma direta e reta, que Gabriel Silva Filho*. responde sobre o papel que o esporte cumpre em sua vida. Hoje ele é interno da Fundação Casa, instituição do Governo de São Paulo que aplica medidas socioeducativas a menores infratores. Gabriel. está preso por tráfico de drogas na unidade Rio Pardo, e pensa em sair logo para poder ajudar a mãe e as irmãs que vivem em Barretos, no interior do estado. Enquanto isso não acontece, ele ajuda os colegas a conquistarem o campeonato interno de handebol da instituição. E põe ajuda nisso: Gabriel acaba de marcar nada menos que 10 gols na vitória de 24 a 6 na final contra a unidade Nova Aroeira, da capital. Na semifinal, ele já havia marcado nove gols. "Penso em trabalhar com esporte quando sair daqui", diz o interno.

As finais estaduais do torneio interno de handebol da Fundação Casa aconteceram no dia 08 de julho no Ginásio do Pacaembu, em São Paulo. Nelas, os times que se classificaram nos campeonatos regionais da instituição se enfrentaram para decidirem quem seria o grande campeão. Rio Pardo venceu no masculino, enquanto, entre as garotas, uma das equipes da unidade Cerqueira César (duas competiam) levantou o troféu.

Um campeonato como qualquer outro

Durante os jogos, que começaram as nove horas da manhã e foram até o final da tarde, o clima no importante ginásio paulistano é igual ao que seria o de qualquer outra competição envolvendo jovens. Há tensão no ar, gritaria, torcida, cobrança entre colegas e entre jogadores e técnicos, broncas do árbitro para coibir lances mais ríspidos, comemorações e abraços. Não há nada ali que indique que estão em quadra menores infratores, até porque não existe um aparato de segurança especial. Não há, por exemplo, a presença de policiais. Os garotos e garotas estão acompanhados tão somente do "staff" de suas unidades, do qual fazem parte, por exemplo, coordenadores pedagógicos e professores de educação física.

Depois de vencer a semifinal por 12 a 6, e fazer um bom começo de partida, o time de Nova Aroeira amarga uma goleada na final. Os passes ágeis e a defesa quase instransponível da equipe de Rio Pardo são um balde de água fria momentâneo em Joaquim Antonio, que esperava o título e a artilharia do campeonato. Em Ricardo Carlos, armador do time que queria muito levar o título para Nova Aroeira. E em Marcelo Rômulo, que não gostava de handebol, mas hoje sonha até em um dia jogar na seleção.

Sonhos moldados pelo esporte

Os três garotos treinaram duro para chegar à final. Mas, passada a frustração da derrota, aplaudem os colegas de Rio Pardo e celebram o quão longe chegaram – afinal, 80 equipes masculinas começaram a disputa. Agora, eles voltarão à Nova Aroeira, uma das cinco unidades que integram o complexo da Fundação Casa às margens da Rodovia Raposo Tavares, na zona oeste de São Paulo, para cumprirem suas medidas socioeducativas.

Joaquim Antonio está com 18 anos e foi preso por tráfico de drogas. É reincidente e, inclusive, já fugiu justamente em uma saída esportiva. "A gente tinha saído para fazer um jogo e eu aproveitei a chance", ele lembra. "Mas eu era moleque né, não sabia o que fazia". Ele de fato parece mudado. A opinião é compartilhada por alguns dos responsáveis por orientá-lo na unidade, e o esporte teve um papel fundamental nessa evolução.

"O esporte me ajuda bastante a pensar na vida, sobre o que eu estou fazendo aqui", diz Joaquim, após um treino, uma semana antes da final no Pacaembu. "É importante para distrair a mente e, principalmente, ajudar a gente a ter um objetivo na vida." Joaquim deve ficar em Nova Aroeira por mais quatro meses. Depois, pretende fazer ENEM e tentar uma bolsa de estudos para estudar Educação Física.

"Treinar é bom para quando a gente está com a cabeça meio bagunçada" diz Ricardo Carlos. Ele também está com 18 anos e acabou em Nova Aroeira por roubo qualificado. Antes da Fundação Casa, ele conta que sua referência sobre competir era bem diferente. "Tinha muito mais briga que esporte", conta Ricardo. "Saindo daqui, quero ir além. Quero continuar jogando, quero trazer um título para o Brasil", empolga-se o garoto, falando sobre o handebol, também uma semana antes da grande decisão.

Marcelo Rômulo é outro que pensa em continuar jogando handebol quando deixar Nova Aroreira. Com 17 anos, ele também está preso por traficar drogas. "Eu não gostava muito do esporte no começo, mas depois começou a me ajudar a ficar mais tranquilo e a focar na medida socioeducatica", diz Marcelo. Como já foi mencionado, ele é mais um que gostou tanto do handebol que passou a sonhar alto. "Quem sabe um dia não entro para a seleção".

Descentralização ajudou

"O esporte é um dos caminhos mais fáceis para trabalhar o indivíduo", diz Guilherme Astolfi Caetano, diretor da Região Metropolitana Oeste da Fundação Casa. "O menor chega aqui e de repente se dá conta de que está privado da sua liberdade. Claro que as disciplinas convencionais são importantes, mas não vai ser só ensinando algoritmos que você vai fazer um garoto esquecer que ele está preso", exemplifica o diretor. "Nesse ponto, o esporte, junto com a arte, tem uma grande capacidade de desencadear mudanças positivas e influenciar, por exemplo, no desempenho do interno na sala de aula".

Independente se conseguirão ou não conquistar seus objetivos, a importância do esporte na recuperação de jovens como Gabriel, Joaquim, Ricardo e Marcelo é evidente. Esse trabalho ganhou força desde que a antiga Febem (Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor) foi reestruturada, no começo da década passada, para se tornar a Fundação Casa. Problemas continuam a acontecer: recentemente, a Defensoria Pública de São Paulo pediu o fechamento justamente de uma das unidades do Complexo Raposo Tavares, por maus tratos aos internos, e uma reportagem da "Folha de S.Paulo" sobre a instituição foi suspensa por decisão da Justiça. Mas o processo de descentralização da entidade, que passou a ter unidades com um número bem menor de internos, permitiu organizar melhor as práticas esportivas, como por exemplo os campeonatos internos. Para se ter uma ideia, na unidade Nova Aroeira hoje estão cerca de 75 internos, quando na época da Febem estavam o dobro.

O calendário esportivo oficial da Fundação Casa tem atividades durante o ano todo e contempla, além do handebol, atividades como ginástica, futebol society, tênis de mesa, vôlei, basquete, futsal, xadrez e o curioso tchoukball. Nele, equipes formadas por sete jogadores se enfrentam em uma quadra de basquete com uma bola e dois quadros (semelhantes a trampolins e inclinados a 55º), cada um posicionado de um lado da quadra. O objetivo da equipe é fazer a bola rebater em um dos quadros, para que ela caia na quadra, sem que a outra equipe a recupere. Não há um lado para cada equipe e o campo de jogo é compartilhado por todos.

Pode parecer estranho, mas, em Nova Aroeira, a peculiar modalidade caiu tanto no gosto dos internos que um time da unidade chegou a participar de um campeonato externo e, competindo contra equipes de colégios particulares de São Paulo e até de militares, ficou em quarto lugar. O feito é mencionado com orgulho por internos e funcionários.

Altos e baixos

Um dos pontos altos do ano esportivo da Fundação Casa é a Copa Casa, o campeonato interno de futebol de campo da instituição. Em sua fase final, os jogos são disputados como preliminar das semifinais do Campeonato Paulista.

Apesar da grande variedade de atividades esportivas, a única instalação para as suas práticas são as quadras poliesportivas das unidades. É nelas que os internos se reúnem para, nos horários determinados, jogarem, treinarem e, como disse Gabriel no início da reportagem, esquecerem que estão presos. Algumas, porém, como a de Nova Aroreira, sequer são cobertas, o que significa que, em caso de chuva, o esporte é substituído por alguma atividade interna.

"A gente sabe de toda a discussão que vem acontecendo com relação a redução da maioridade penal. Eu acho que são nesses momentos que a gente demonstra que muitos adolescentes têm condições de optar, quando saírem da Fundação, por seguirem o caminho do bem", diz Carlos Alberto Robles, gerente de Educação Física e Esportes da Fundação Casa, na cerimônia de encerramento do campeonato de handebol.

*Por razões legais, todos os nomes dos internos entrevistados são fictícios

UOLEsporte

Herbaman Drickão acesse meu site multinacional

😎 Herbaman Drickão personalizado HERBALIFE. Convido vocês a acessarem, conhecerem os produtos e podem comprar direto do site agora sem burocracia. Qualquer dúvida só chamar no messenger ou no vivowhatsapp: 11968541652.

https://www.goherbalife.com/herbamandrickao/pt-BR

Herbalife Internacional,

Beijos do Herbaman Drickão. :)

😎 ADRIANO NEIVA | Consultor Independente Herbalife | Catálogo de Produtos - https://www.goherbalife.com/herbamandrickao/pt-BR

quarta-feira, 29 de julho de 2015

As ongs sobrivendo com o nosso dinheiro

País tem 350 mil ONGs e todas elas se empanturram com dinheiro público

29/10/2011 - [10h:59m] - Política      Diminuir Aumentar
Alguém aí tem ideia de quantas Organizações Não Governamentais, também conhecidas por ONGs, existem no Brasil? Há quem fale em 450 mil. Mas a própria Associação Nacional das ONGs reconhece 350 mil. Ou seja, 350 mil entidades que não precisam, no geral, prestar contas a ninguém, que recebem vultosas somas de dinheiro público – milhões, milhões e milhões – e que se dizem não ligadas ao governo, ou seja, não teriam porque receber verbas dos cofres públicos. Há muitas delas que realmente funcionam, que são importantes para setores da comunidade, que ajudam principalmente aquela faixa da população mas carente. Mas há milhares que apenas se aproveitam do país, que são componentes ativos de um sistema nacional de corrupção que está quase fora do controle. Formam, no geral, uma espécie de super caixa preta, onde entra muita grana, mas ninguém sabe para onde ela vai. Só na Amazônia, segundo estatísticas constantemente divulgadas, inclusive em vários sites da internet, atuam mais de 100 mil ONGs, de todos os tamanhos e defendendo todos os interesses – raramente os do nosso país – e algumas recebem polpudas verbas oficiais, sem dar nada em contrapartida. A não ser para seus padrinhos, que recebem o dinheiro sujo e enchem seus bolsos.
A presidente Dilma Rousseff, depois de tantas escândalos descobertos – como o recente caso do Ministério dos Esportes – tomou a decisão de, durante pela menos um mês inteiro, impedir o repasse de um só centavo a qualquer uma dessas 340 mil ONGs. Ao fim de 30 dias, muitas delas sumirão, porque não suportam qualquer investigação. Outras tantas serão fechadas na marra. Vão sobrar ainda umas 250 mil. Se a Presidente fechar a torneira do dinheiro para as ONGs por, pelo menos um ano, estará dando um passo decisivo para acabar com o grosso da corrupção que campeia em seu governo. É só começar a agir...
VISITA PETISTA
Na próxima semana, importante membro da cúpula do PT nacional estará em Porto Velho. Vem conhecer as ações do partido em Rondônia, visitar obras na Capital e se reunir com os três pré candidatos petistas à sucessão de Roberto Sobrinho. Por enquanto, Epifânia Barbosa, Fátima Cleide e Cláudio Carvalho querem a indicação do PT para disputar a eleição.
VAI TER PRÉVIAS
Decisão que está praticamente tomada no PT, dependendo apenas de alguns detalhes: o partido vai mesmo realizar uma prévia para a escolha do seu candidato (ou de sua candidata), para 2012, em Porto Velho. O presidente municipal Tácito Pereira está tratando do assunto, que seria apoiado por todos os pretendentes à indicação petista. A prévia começa a ser discutidos em reunião do próximo dia 11 de novembro.
SÓ NAMORO
Dos partidos considerados grandes, só o PDT não tem ainda definição sobre uma eventual candidatura em Porto Velho. Ouve-se os nomes do professor Mário Jorge e do apresentador e advogado Dalton di Franco. Os dois “namoram” com a ideia, mas ambos nem sequer pensam, por enquanto, em comprar alianças de noivado. Pelo jeito, o PDT vai outra vez só como coadjuvante, na Capital.
VERGONHA NA TV
Dupla de rondonienses fez fiasco, esta semana, num programa de calouros do SBT. Foi tão horrível, que os próprios “jurados” saíram em defesa da nossa terra. “Isso aí não é Porto Velho e não é Rondônia. Isso aí é o que de pior tem por lá, mas é uma terra muito boa”, disse um deles. O apresentador ficou tão constrangido que decidiu sair em nossa defesa. Bem que os dois poderiam não ter dito de onde são...
.VIROU MODA
A Polícia Militar de Porto Velho está enfrentando agora não só os bandidos, mas até as famílias deles. Já ocorreram vários casos. Nessa semana, depois de prender um menor e um maior que tinham assaltado uma jovem indefesa, os policiais foram atados por familiares de um dos criminosos, que exigiam que o assaltante fosse solto. Cadeia para todos, bandidos e quem os defende. Esse é o caminho.
DINHEIRO TEM!
Dá para se ter ideia de quanto significam 1 trilhão e 200 bilhões de reais? Pois essa impressionante quantia foi arrecadada em impostos, Brasil afora, nos governos federal, estaduais e municipais até ontem. O ano deve fechar cainda é nebuloso na maioria das cidades. Ainda falta muito para que todos os acordos sejam fechados.
PERGUNTINHA
Se acabar com a corrupção e tiver sucesso como Ministro dos Esportes, Aldo Rebelo não se tornará uma sombra para a reeleição de Dilma Rousseff ou a volta de Lula?

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Agente da fundação casa é tri campeão em minas gerais

terça-feira, 21 de julho de 2015


Campeonato Mineiro G.P.C 2015 Cassia MG


Salve salve galera! Estou de volta para trazer a vocês as noticias do Campeonato Mineiro G.P.C 2015, realizado no ultimo sábado dia 18 de julho na cidade mineira de Cassia, e evento contou com a presença de mais de 60 atletas divididos em suas respectivas categorias, eu mais uma vez competi na categoria até 140 kg, categoria na qual me tornei tri campeão Mineiro, com a marcas de 350 kg no Agachamento, 250 kg no Supino e 270 kg no Levantamento Terra totalizando 870 kg, com tais marcas alcançadas além de vencer minha categoria tive a oportunidade de mais uma vez ser campeão por coeficiente e campeão geral, além de realizar o maior supino , o maior agachamento da competição, e quebrar o recorde brasileiro no agachamento e no total pela G.P.C.

Deixo aqui os parabéns a todos que contribuíram para realização deste evento, e agradeço aqueles que direta ou indiretamente fizeram parte desta minha conquista, agora foco na missão e que todos.o Campeonato Brasileiro que será realizado na cidade de Assis SP, nos dias 14,15 e 16 de agosto, conto com a torcida de vocês e espero encontra-los por lá, forte abraço a todos. Pessoal agora além do campeonato brasileiro o mesmo estara contando com a colaboração de todos pra participar do próximo campeonato sul americano que vai ser disputado na Argentina.
Que venham patrocinadores e contribuições de amigos, pra essa meta ser atingida, contamos com a colaboração de voces, pra que esse sonho se torne realidade e que o objetivo seja alcançado.

Justiça seja feita: Fundação CASA tem ótimos profissionais

Justiça seja feita: Fundação CASA 




tem ótimos profissionais



em: 23/07/2015 08:17:50
Servidores se unem contra publicação da Folha de São Paulo
 
 
Texto elaborado pela Superintendência de Saúde

Sobre a reportagem publicada no jornal Folha de São Paulo (22/07) intitulada “Em SP, jovem infrator passa de “empático” a “imaturo” em um mês", a Superintendência de Saúde e a Gerência Psicossocial da Fundação CASA protestam veementemente contra o teor da referida  matéria escrita pelo jornalista Reynaldo Turollo Junior – que não tem conhecimento técnico  para avaliar os relatórios produzidos pelos profissionais psicólogos e assistentes sociais – expressando o texto um grave problema que é produzir falsas impressões ao leitor deste periódico e a sociedade como um  todo. 

Usar os termos como “imaturo”, “autocritico” e “empático” como se os mesmos encerrassem conceitos estáticos e busca com jogo de palavras falsas contradições, com o objetivo de denegrir e manchar a honra da prática de profissionais da área da psicologia, serviço social e saúde, desta Fundação. 

Repudiamos essa reportagem pois o texto estigmatiza os adolescentes em conflito com a lei ainda mais às margens da sociedade e busca passar a ideia de que os profissionais deveriam ir contra o ECA-Estatuto da Criança e do Adolescente – que está em vigor, promovendo a longevidade da medida socioeducativa, como forma punitiva para todos os adolescentes indiscriminadamente. 

O jornalista comete um erro gravíssimo ao produzir matéria jornalística simplista quando tenta analisar relatórios produzidos por profissionais que estão inseridos em realidade complexa que é a execução de medida socioeducativa e produzem relatórios contextualizados, individualizados e que fazem parte do diálogo com o sistema de justiça como parte do processo de cumprimento de medida pelo adolescente. 

São documentos que quando questionada a própria presidente do Conselho Regional de Psicologia afirma na reportagem: “Não temos até o momento nenhum conjunto de dados que possa indicar problemas nos relatórios feitos na Fundação Casa”. E da mesma forma a diretora do Conselho Regional de Serviço Social confirma: “A maioria procura fazer um trabalho digno. ” 

Repudiamos a reportagem cujo sentido depreciativo busca desinformar a sociedade fazendo crer que a privação de liberdade deve ser tratada como forma apenas de punição e não educativa como diz o ECA.
A verdade, a veracidade e a precisão das informações 

O que o jornalista não escreveu, faremos nós agora. O correto seria informar a sociedade que o ser humano, de modo geral, é um ser em constantes transformações sendo influenciado pelos fatores biológicos, culturais, sociais, políticos e econômicos. A fase da adolescência é permeada por diversas descobertas, novas relações sociais, inserção no mundo do trabalho, sendo que os fatores de risco e de proteção encontrados na sociedade influenciam sobremaneira o modo como este indivíduo vai superar esta fase. O que é preciso ressaltar é que os indivíduos são mutáveis, considerando o momento de vida em que se encontram. 

O trabalho psicológico dentro da instituição, assim como, do serviço social, é motivado pela história do indivíduo até aquele momento, sendo o envolvimento no ilícito algo que faz parte dessa história, mas não o resume. Sendo assim, os profissionais buscam realizar reflexões acerca do ato cometido, mas também tudo o que permeia a vida daquele indivíduo até o momento que ele se apresenta. 

Portanto, o adolescente possivelmente após o cometimento de um delito pode se apresentar sem crítica, sem empatia em relação à vítima, sem percepção das consequências de suas atitudes para a sociedade e ainda, pode negar a prática tendo todos os fatos comprobatórios de seu envolvimento. Ocorre que sendo a vida mutável, os fatores externos (sociais, em sua maioria) influenciarão este indivíduo, e principalmente os fatores individuais poderão exercer grande força para que ele possa rever suas ações e modificar seu comportamento.

Conseguir se colocar no lugar do outro é um exercício que deve ser praticado pelo indivíduo, mas pode ser estimulado pelo profissional, não apenas no plano teórico, mas também através da prática de atividades que o auxiliem. No entanto, outra relação que ele possa estabelecer, poderá fazer com que reforce o que foi estimulado ou ainda, modificar tal conduta. 

O indivíduo que reincide na prática infracional pode sim TER ABERTO MÃO do aprendizado realizado, das orientações recebidas pelos familiares, dos freios recebidos pela sociedade, consequência de uma medida socioeducativa, pois outros aspectos foram, naquele momento, mais valorizados, como exemplo: a perda de uma pessoa significativa em sua vida, a dificuldade em ser inserido no mercado de trabalho lícito, o nascimento de um filho, a retomada ou o início do uso de substâncias psicoativas. 

Os pareceres psicológico e do serviço social são permeados pelo sigilo da relação estabelecida com o seu atendido, tendo os Conselhos como fiscalizadores da prática, sendo que o código de ética nos determina que as informações devem ser limitadas a atender à demanda do parecer. Há na prática da Psicologia diversas linhas de abordagem, contudo, é comum a todas elas a expressão, o discurso e o comportamento humano. Destaque-se que os profissionais que atuam na área social fundamentam-se muitas vezes no contexto social, nas relações deste indivíduo.

O profissional ético não emite parecer para que o adolescente seja liberado indiscriminadamente, ele tem fundamentação na mudança de comportamento, nos prejuízos que a privação ou restrição de liberdade pode acarretar, nas potencialidades que este indivíduo apresenta. 

O retorno do indivíduo para o meio social do qual ele faz parte é planejado e organizado com a equipe que atende o adolescente, através de seu Plano Individual de Atendimento e dos encaminhamentos realizados, tendo a família participação neste processo. Contudo, é apenas no momento que retorna ao convívio que ele vai efetivar algumas questões trabalhadas na Instituição, sendo que o parecer dos profissionais traduz o que até aquele momento, puderam perceber e trabalhar com o adolescente, sem poder ter o controle de como se dará essa adaptação. 

São Paulo, 22 de julho de 2015 

Superintendência de Saúde 

Gerência Psicossocial

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Deputado sugere aborto de bebês com “tendências à criminalidade”

21 jul 2015 às 10:57 pm

Deputado sugere aborto de bebês com “tendências à criminalidade”



O Deputado Federal Laerte Bessa fez uma declaração polêmica a respeito da redução da maioridade penal, aprovada em primeiro turno na Câmara. O Deputado sugere aborto de bebês com “tendências à criminalidade” no futuro.

“Um dia, chegaremos a um estágio em que será possível determinar se um bebê, ainda no útero, tem tendências à criminalidade, e se sim, a mãe não terá permissão para dar à luz”. Essa afirmação foi feita em matéria publicada pelo jornal inglês The Guardian no dia 29 de junho. O parlamentar é relator da PEC 171/93, que reduz a maioridade penal.

Confira a matéria completa no Portal da Revista Fórum

A reportagem cita outras pretensões de Bessa sobre o tema, defendendo reduzir ainda mais a maioridade penal

“Em vinte anos, reduziremos para 14, depois para 12″, disse. Para ele, a proposta, aprovada em primeiro turno na Câmara após manobra do presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ), “é uma boa lei que acabará com o senso de impunidade em nosso país.”

terça-feira, 21 de julho de 2015

Com impedinento de bondes, greve dos agentes entram no segundo dia

Com impedimento de 'bondes', greve dos agentes entra no segundo dia
Entrada de oito veículos com presos foi bloqueada em Martinópolis. Paralisação teve início nesta segunda-feira (20) em todo o estado.
21/07/2015 11h31 - Atualizado em 21/07/2015 15h44
Do G1 Presidente Prudente
Os Agentes de Segurança Penitenciária (ASP) entraram no segundo dia de greve nesta terça-feira (21) em frente a unidades prisionais da região e de todo o Estado de São Paulo. A paralisação teve início a partir da 0h desta segunda-feira (20) e é uma retomada da greve geral de março de 2014, já que o governo não cumpriu por completo o acordo firmado no Palácio dos Bandeirantes naquela oportunidade, conforme o Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária (Sindasp).
Conforme o Sindasp, na manhã desta terça-feira (21) agentes que estavam reunidos em frente a unidade de Martinópolis impediram a entrada de oito veículos que transportavam presos, também chamados de bondes, que vinham de outras penitenciárias da região. Segundo o sindicato, esses veículos não entraram na unidade e seguiram até a base da Polícia Rodoviária de Assis, onde os presos foram colocados em ônibus que seguiram com destino a São Paulo, possivelmente para o Centro de Detenção Provisória de Pinheiros.(Veja a ação dos agentes no vídeo acima)
Agentes barram entrada de 'bondes' em Martinópolis (Foto: Grissia Bueno / TV Fronteira)Agentes barram entrada de 'bondes' em Martinópolis (Foto: Grissia Bueno / TV Fronteira)
Segundo o sindicato, no primeiro dia de paralisação, das 163 unidades prisionais, 106 paralisaram as atividades e, dos 35 mil servidores, 22.750 mil aderiram ao movimento, o que totaliza 65%.
O agente e também diretor do Sindasp Alex Brandão, que trabalha na unidade de Montalvão, diz que os agentes permanecem em frente a penitenciária e que o número de adesão ao movimento deve crescer neste segundo dia de paralisação. Conforme outro agente e também diretor da instituição, Cícero Selix, que trabalha em Presidente Bernardes, no primeiro dia da paralisação não houve uma adesão total na unidade em que trabalha, porém, a expectativa é que para esta terça-feira o número aumente.
Segundo os diretores, os funcionários estão em frente a unidades da região e de todo o estado com faixas e cartazes aguardando um posicionamento do governo para negociação. A greve foi decretada após a realização de 23 assembléias gerais convocadas pelo Sindasp e segundo a decisão das reunioões, a greve somente será suspensa se o governo arquivar todos os Processos Administrativos Disciplinares (PADs) e apresentar uma definição sobre a concessão do Bônus de Resultado Penitenciário (BRP) anual.
Conforme o sindicato, um acordo, registrado em ata, destacava que o governo deveria arquivar todos os PADs contra os agentes penitenciários que participaram da paralisação de 2014. O documento também apontava que seria criado o BRP, a ser concedido anualmente aos servidores. Após um ano e quatro meses do acordo firmado, 32 agentes penitenciários ainda são vítimas de processo administrativo e correm o risco de serem exonerados. Além disso, a categoria não recebeu nenhuma proposta concreta de criação do bônus, ainda segundo o Sindasp.
A categoria também pede que o governo conceda os índices inflacionários na pauta reivindicações 2015, em torno de 7%, e cobra do estado uma postura sobre a superlotação nas unidades prisionais.
SAP
Por meio de nota enviada nesta segunda-feira (20), a Secretaria de Administração Penitenciária informou que o presidente do Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de São Paulo (Sindasp) comunicou aos dirigentes de algumas unidades penais que sua instituição realizaria movimento grevista, sob a alegação de que a SAP não teria cancelado os processos administrativos disciplinares instaurados para a apuração de fatos ocorridos nos Centros de Detenção Provisória (CDP) de Franca e Jundiaí e na Penitenciária de Iperó.
Ainda foi dito pela secretaria que "o citado presidente não deixou a questão bem clara para seus associados e para os servidores do sistema penitenciário, levando a eles informações que não correspondem com a realidade, pois esse compromisso jamais foi assumido".
A SAP também alegou que sobre a adesão à greve, apenas 16 das 163 unidades prisionais do Estado aderiram ao  movimento e, mesmo assim, mais da metade delas, dez penitenciárias, estão funcionando normalmente, tendo apenas  a entrada bloqueada por alguns grevistas.
Nesta terça-feira, o G1 entrou em contato com a secretaria e foi informado que "nesta manhã  um comboio de veículos de transporte de presos foi impedido de entrar na Penitenciária 'Tacyan Menezes de Lucena' de Martinópolis por um grupo de servidores que fazem parte do turno de folga, representantes do Sindasp e um veículo da força sindical".
E que o carro foi posicionado na área externa da subportaria, "impedindo que o transporte de presos entrasse na unidade. O comboio vindo de Presidente Venceslau seguiu viagem para os Centros de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros, em São Paulo".
A SAP ressaltou que "está sendo instaurado procedimento apuratório, para apuração dos fatos e responsabilização dos responsáveis".

demissão do agente , nota de esclarecimento

Demissão de dirigente - NOTA DE ESCLARECIMENTOPDFImprimirE-mail
TER, 21 DE JULHO DE 2015 17:01
nota-de-esclarecimento
Do SITRAEMFA aos trabalhadores e trabalhadoras da Fundação Casa
     A diretoria do SITRAEMFA vem esclarecer à categoria sobre a situação do Dirigente Sindical Patrick Moraes, conforme segue abaixo. Informamos que o servidor Patrick, dirigente combativo desta entidade sindical, foi arbitrariamente demitido da Fundação Casa por motivos políticos e, principalmente, pela sua atuação como representante sindical junto aos trabalhadores da categoria, especialmente no interior.
Sua atuação foi primordial e contribuiu em grande medida com a organização e mobilização dos trabalhadores do Interior, nas greves de 2014 e 2015.
Com fundamentos na CLT, a demissão de um Dirigente Sindical só é possível mediante inquérito judicial, que deve ser apreciado pelos Tribunais de 1ª e 2ª instâncias, sob processos regidos pelos Princípios que contemplem a ampla defesa e o contraditório. Procedimento este que não foi cumprido pela Corregedoria da Fundação Casa e que vem sendo exigidos pelo Sindicato.
Ressaltamos que, ao contrário das informações ventiladas na categoria o SITRAEMFA vem tomando todas as providências necessárias e cabíveis para que a demissão do diretor Patrick Moraes e outros penalizados politicamente sejam revertidas e que qualquer outra forma de prejuízos oriundos da demissão arbitrária, causadas pela Fundação, seja devidamente apuradas e revertidas em indenizações, além de que seus responsáveis sejam punidos com o rigor da lei

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Adolescente acusado de participar de estupro coletivo é morto dentro da cela



Delator do estupro coletivo no Piauí é morto dentro de cela

LUCIANO COELHO
17/07/2015 | 08h440

Adolescente de 17 anos foi espancado com socos e chutes; outros acusados teriam assumido crime e dito que era um ato de vingança

TERESINA - O adolescente Gleison Vieira da Silva, de 17 anos, um dos adolescentes acusados de participar do estupro coletivo em Castelo do Piauí e que delatou os demais em vídeo gravado pela polícia, foi assassinado na madrugada de sexta-feira, 17, dentro do Centro Educacional Masculino (CEM), em Teresina, por seus próprios companheiros.

Mais um agente é morto no estado de são paulo

Agente penitenciário do CDP de Campinas é morto a tiros
Moto teria se aproximado do carro da vítima e efetuado disparos. Ninguém havia sido preso até a publicação da reportagem, diz polícia.
16/07/2015 22h40 - Atualizado em 17/07/2015 07h33
Do G1 Campinas e Região
Um agente penitenciário foi morto a tiros no começo da noite de quinta-feira (16), no entroncamento da rodovia Anhanguera com a Dom Pedro, na altura do km 103, no sentido capital, em Campinas (SP). De acordo com a Polícia Rodoviária, a vítima estava dirigindo quando uma moto se aproximou e efetuou vários disparos.
A vítima era funcionária do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Campinas. De acordo com a Autoban, concessionária que administra a via, às 22h30 o trecho permanecia interditado para perícia, mas não havia congestionamento.
De acordo com a polícia, até a publicação da reportagem, ninguém havia sido preso.
Outro caso
Um agente penitenciário foi baleado ao estacionar em frente à própria casa na noite de 9 de julho no Jardim Adelaide, em Hortolândia (SP). A vítima tem 48 anos e contou à polícia que um veículo parou ao lado dele e fez os disparos. Foram pelo menos 10 e um deles atingiu o agente nas costas. Ele foi hospitalizado e continua em observação

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Pan-Americano inspira Olimpíada na Fundação CASA

CASA

Por: AnaBOCG | Publicado em: 14/07/2015 13:58:58
Evento, que está em sua oitava edição, tem como foco promover modalidades que estão nos dois eventos, Pan-Americano e Olimpíadas 2016

Foto: Eliel NascimentoEnquanto os jogos Pan-Americanos acontecem na cidade de Toronto, Canadá, os jovens que cumprem medida socioeducativa de internação provisória em seis centros da Fundação CASA localizados no Brás, bairro da capital paulista também sentirão o gostinho de disputar algumas modalidades durante as VIII Olimpíadas CIP Brás.
A abertura do evento acontecerá na próxima quarta-feira (15 de julho) na quadra externa do local, situada na rua Cel. Mussa, 270, no Brás. Participam do evento os CASAs Itaparica, Rio Paraná, Rio Turiassu, Rio Tocantins, Topázio e Juquiá.
Durante a cerimônia acontecerá o desfile das delegações dos centros, bem como a execução do hino nacional e o juramento do atleta.
As atividades estão programadas para acontecerem de manhã e à tarde, até o próximo dia 31 de julho (uma sexta-feira), quando acontecerá a cerimônia de encerramento e entrega da premiação. Todos os centros realizam o programa de internação provisória (CIPs)
Quatro modalidades estarão em disputa, sendo três disputadas no Pan: vôlei, futsal (representando o futebol), tênis de mesa e xadrez.
De acordo com a analista técnica da Regional e uma das responsáveis pelo evento, Eliana Moreno, o esporte beneficia em muito os jovens. “A Olimpíada já faz parte da agenda esportiva do Brás há oito anos como ferramenta de ressocialização dos jovens”, destacou.
Nos esportes coletivos, todos os centros participarão das eliminatórias, sendo que os quatro CASAs com maior pontuação seguem para as semifinais. Os vencedores de cada semifinal disputarão a final.
Em cada modalidade serão premiados os três primeiros colocados, além da entrega de uma premiação especial para os três centros mais bem classificados na pontuação geral.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Senado aprova aumento do tempo de internação para menores infratores

Senado aprova aumento do tempo de internação para menores infratores
Proposta prevê que jovens possam ficar internados por até dez anos. Matéria segue agora para votação na Câmara dos Deputados.
14/07/2015 21h31 - Atualizado em 14/07/2015 22h22
Por Lucas Salomão
Do G1, em Brasília
O Senado aprovou nesta terça-feira (14) por 43 votos a 13 projeto de lei que altera oEstatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e aumenta o tempo de internação de menores de 18 anos que tenham cometido crimes hediondos. A matéria seguirá agora para votação na Câmara dos Deputados.
Pelo projeto, de autoria do senador José Serra(PSDB-SP), os jovens que tenham cometido esse tipo de crime poderão ficar internados em centros de atendimento socioeducativo por até dez anos. Atualmente, o tempo máximo de internação é de três anos.
Originalmente, o relator do projeto, senador José Pimentel (PT-CE), havia proposto que o tempo máximo de internação ficasse em até oito anos. Porém, ele acatou emenda do próprio Serra e manteve o limite em até dez anos.
O texto também prevê uma alteração no Código Penal para agravar a pena do adulto que praticar crimes acompanhado de um menor de 18 anos ou que induzir o menor a cometê-lo.
Nesses casos, a pena do adulto será de dois a cinco anos, podendo ser dobrada para os casos de crimes hediondos.
Outro ponto proposto por Pimentel prevê que os adolescentes passarão por avaliação, a cada seis meses, feita pelo juiz responsável pelo caso. O objetivo do petista é que o magistrado possa analisar e optar por liberar antecipadamente ou não o jovem da reclusão.
Os internos ainda deverão estudar nos centros de internação até concluir o ensino médio profissionalizante. Atualmente, o Estatuto da Criança e do Adolescente prevê que os menores devem concluir somente o ensino fundamental.
Comissão especial
Antes da aprovação do projeto, os senadores rejeitaram enviar para uma comissão especiala proposta de José Serra.
Nesta terça, parlamentares solicitaram a Renan Calheiros (PMDB-AL) que o projeto fosse retirado de pauta para que houvesse mais tempo de análisar da matéria.
Após o apelo dos senadores, um requerimento para retirar a urgência do texto – o que dá prioridade ao projeto sobre outras matérias – chegou a ser aprovado simbolicamente (quando não há contagem de votos), mas foi rejeitado em votação numérica.
"Presidente, esse tema é um tema muitíssimo importante. Eu, quando falo isso, é porque tenho interesse no tema, eu quero discutir aprofundadamente. Não dá para ser no dia de hoje. Na semana passada, houve um debate aqui, que foi uma tarde inteira onde 20, 20 e tantos senadores falaram nesse sentido. Então, queria apelar a Vossa Excelência: não dá para votar", disse o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).
Maioridade penal
A aprovação da mudança no ECA ocorre em meio à polêmica da votação na Câmara da proposta de emenda constitucional (PEC) que reduz de 18 para 16 anos a maioridade penal, criticada por diversos senadores.
Na Câmara, os deputados aprovaram proposta de emenda à Constituição na qual os jovens com 16 anos ou mais que cometerem crimes hediondos, homicídio doloso e lesão corporal seguida de morte responderão criminalmente, como adultos.
A proposta ainda passará por outro turno de votação na Câmara antes de ser enviada para análise, também em dois turnos, no Senado.
Apesar de ter contado com a maioria dos votos na Câmara, o clima entre os senadores é de rejeição à proposta. A tendência, portanto, é que o projeto seja amplamente discutido em uma comissão especial, que deve ser criada após proposta do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), antes de ser submetido à votação na Casa.

terça-feira, 14 de julho de 2015

Sindicato confirma greve de agentes penitenciários

Sindicato confirma greve de agentes penitenciários

A partir de 20 de julho, categoria vai paralisar diversos serviços por não cumprimento de acordo em 2014

Da redação - Pedro Afonso
Interagir: Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir
ESTADUAL - O Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de São Paulo (Sindasp), confirmou através de circular enviada à imprensa, que a partir do próximo dia 20, a categoria irá entrar em greve, pelo não cumprimento do acordo de greve 2014. Pesa em especial, segundo o documento, o não cancelamento dos Processos Administrativos Disciplinares (PAD’s).
Durante o período de greve, funcionam, apenas:
- PS para atendimento de saúde;
- Alvará de soltura;
- Velório (somente até a inclusão);
- Cozinhas e padaria;
- Cartas;
- Sedex (somente para unidades femininas);
- Alimentação de animais (somente o essencial);
- Esgoto, usina de tratamento;
- Procedimento disciplinar (transferências: RDD, castigo, cela disciplinar);
- Revistas, blitz (desde que sob suspeita. Blitz geral não);
- Banho de sol.
No entanto, diversos serviços serão paralisados, como:
- Fórum e Juri;
- Atendimento a advogados e Oficiais de Justiça, assistentes sociais, psicólogos, oitivas;
- Transferência (bonde/linhão);
- Jumbo;
- Sedex;
- Esportes (Detentos que organizam torneios);
- Escola;
- Todo tipo de trabalho de pavilhão e empresas;
- Rol de visitas;
- Pecúlio;
- Manutenção (somente emergências);
- Recebimento de presos de cadeias públicas;
- Recebimento de plantões Policiais (inclusões automáticas);